Gestão de negócios

Ramo de atividade: o que é? Como definir o da sua empresa

Na hora de empreender, acertar o ramo de atividade no qual vai investir faz toda a diferença. Você sabe como escolher o seu? Vamos te ajudar com este artigo.

Ser o seu próprio patrão é o sonho de muitas pessoas. Mas, na hora de começar a empreender, surge aquela dúvida: qual o melhor ramo de atividade para investir?

Muito além dos gostos pessoais, essa escolha deve ser amparada em pesquisas e conhecimento, pois faz toda a diferença para o sucesso ou fracasso de um negócio.

Decidir o ramo de atividade precisa fazer parte do planejamento e ser pautado em questões como mercado, custos e público. Então, tenha em mente que, mesmo que você goste muito de cozinhar, por exemplo, nem sempre abrir um restaurante vai ser a melhor opção.

Para te ajudar a tomar essa decisão tão importante, listamos algumas dicas neste artigo. Com mais informações, vai ficar mais fácil definir de forma assertiva o seu ramo de atividade e aumentar suas chances de sucesso.

Saiba o que é e quais as opções de ramos de atividade

Ramo de atividade nada mais é do que o segmento do seu negócio, ou seja, em qual área sua empresa vai atuar.  Você vai fabricar móveis? Ou vender roupas? Quem sabe fotografar eventos?

Dependendo da sua resposta, você vai se enquadrar em um dos 3 ramos de atividade:

Indústria

Se você vai transformar matérias-primas, seja manualmente ou com auxílio de máquinas, em outros produtos, seu ramo de atividade é o industrial. Esse segmento inclui a produção de:

  • roupas;
  • móveis;
  • automóveis;
  • eletrônicos;
  • esquadrias;
  • laticínios.

Comércio

Se você não vai fabricar, mas apenas vender produtos fabricados pela indústria, seu ramo de atividade é o comercial. Agora, se você vai produzir e comercializar, o seu caso é de “Indústria e Comércio”, que você já deve ter visto em alguns nomes empresariais. São exemplos de empresas comerciais:

  • lojas de roupas;
  • farmácias;
  • restaurantes;
  • supermercados;
  • atacados.

Serviços

Quem não fabrica nem vende produtos, mas sim oferece mão de obra qualificada em algum setor, é classificado como prestação de serviços. Nesse caso, a “mercadoria” é o próprio trabalho de profissional. São exemplos de prestação de serviços:

  • consultórios de psicologia;
  • escritórios de advocacia;
  • lavanderias;
  • estúdios de tatuagem;
  • cinemas;
  • hospitais;
  • escolas.

Escolha o ramo de atividade antes de abrir a empresa

Depois de entender em qual ramo de atividade a sua empresa está classificada, você deve entender por que essa escolha deve ser feita ainda na fase de planejamento, antes mesmo de começar a atuar. É que essa decisão vai influenciar em outros aspectos legais, inclusive na definição de como abrir um CNPJ.

Para que você inclua corretamente o objeto social em sua documentação, por exemplo, precisa já ter definido se vai produzir ou vender produtos ou prestar um serviço. Além disso, é com essa decisão que você poderá selecionar corretamente a CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas), o tipo de enquadramento fiscal e saber os impostos e incentivos fiscais que se aplicam ao seu negócio.

Para evitar erros e transtornos mais à frente, o ideal é que esse planejamento seja orientado por um contador, pois ele é o profissional mais apto a lhe ajudar nas tomadas de decisão.

Defina com critérios seu ramo de atividade

Ter afinidade com algum produto ou serviço é um fator que pesa na hora de escolher o ramo de atividade do seu negócio. Afinal, é natural que você escolha algo que gosta para trabalhar.

No entanto, esse não pode ser o único critério levado em conta. Ter conhecimento técnico e de mercado também precisa estar no seu checklist para minimizar riscos e aumentar as chances de ter sucesso. Veja, a seguir, alguns aspectos que precisam entrar na sua análise:

Afinidade

Como adiantamos acima, é preciso escolher algo que você goste de fazer para que faça com mais dedicação e motivação - dois fatores essenciais ao sucesso de um negócio.

Conhecimento

Não basta gostar, é preciso ter conhecimento sobre o ramo no qual quer atuar. Isso inclui conhecer como é o mercado do seu segmento e também ter qualificação técnica para exercer o trabalho.

Público

O seu produto ou serviço traz uma solução realmente valiosa para as pessoas? Quem vai ter interesse ou querer comprá-lo? É preciso responder a essas perguntas para identificar seu público-alvo e entender se vale a pena oferecer seu trabalho;

Concorrência

Para que você não seja pego de surpresa, é melhor entender com quem vai disputar espaço (e clientes) no mercado. Sabendo com quem está concorrendo, você pode planejar um diferencial para se destacar.

Crescimento

Pensar em médio e longo prazo faz parte do planejamento de quem quer manter o sucesso com o passar do tempo. Nem todos os tipos de negócio que estão em alta hoje podem estar no futuro, então, avalie as perspectivas não só do mercado, mas do comportamento dos consumidores para fazer sua escolha.

Custo

Para evitar surpresas desagradáveis, considere também o investimento necessário para atuar no ramo de atividade escolhido. Quanto vai gastar em maquinário, mobília, eletrônicos, salário de colaboradores, aluguel? Tudo isso precisa entrar na conta para evitar que você abra as portas com muitas dívidas. Se você não dispõe do capital necessário, dependendo do seu ramo de atividade, pode encontrar um investidor-anjo para dar aquele empurrãozinho no início da sua empresa.

Inspire-se em ramos de atividade em alta

De acordo com o Sebrae, há alguns segmentos que já começaram 2022 em alta e que prometem bons resultados para este ano. Se você ainda está definindo o seu ramo de atividade, essas sugestões podem te inspirar na melhor escolha:

  • Negócios digitais;
  • Alimentação saudável;
  • Mercado de beleza;
  • Exportação;
  • Setor de energia;
  • Brechó;
  • Mercado financeiro;
  • Petshop;
  • Academia.

Encontre o melhor nicho para você

Entre tantas e tantas opções para investir, como escolher com certeza a melhor? Neste artigo, você viu algumas dicas para definir seu ramo de atividade com base em sua afinidade, seus objetivos, seus recursos financeiros e seu conhecimento.

No entanto, de nada adianta escolher com cautela e critérios sua área de atuação e acabar falhando na gestão da empresa, não é? Por isso, um bom controle administrativo, contábil e fiscal também precisa estar presente no planejamento do seu negócio.

Para começar sua empresa com o pé direito e aumentar suas chances de escalabilidade, conte com um bom sistema de gestão que permita automatização de processos, integração com seu contador e aumento de produtividade. A DIGISAN oferece tudo isso com um excelente custo-benefício, independente do seu ramo de atividade.

Solicite agora um teste gratuito do nosso emissor de notas fiscais.

Você também pode gostar

Voltar ao blog